• 27
    SET

    BENTO E A MATEMÁTICA!



    (Fonte da imagem: Google!)

    Bento e a matemática!


    Na escola sempre tirava notas baixas quando a prova era de matemática. Ele nunca gostou e nunca se esforçou para aprender. Nas outras matérias Bento era o melhor, mas quando o assunto era matemática, complicava!

    Não tinha jeito, todos os amigos tentavam ajudá-lo, chamando-o para grupos de estudos, mas de nada adiantava... Na maioria das vezes, ele não comparecia e quando estava presente, não dava muita importância aos assuntos discutidos.

    Para ele já bastava tirar boas notas nas demais matérias e não queria perder seu tempo com tantos números, achava complicado demais... Sua professora tentava de todas as formas fazer com que suas aulas de matemática ficassem mais divertidas para chamar a atenção dele, mas seus esforços eram em vão!

    Bento tinha um grande sonho, conseguir comprar um computador, cada dinheiro que recebia dos seus pais ele guardava em um cofrinho de barro até chegar ao valor exato para comprar seu tão sonhado computador, porém, dessa forma iria demorar muito, ele tentava achar alguma solução para conseguir mais dinheiro, até que certa vez ele chegou à escola e encontrou um cartaz falando sobre uma olimpíada de matemática e o vencedor ganharia um computador completo.

    Bento ficou eufórico e esse foi o estímulo que ele precisava para enfim aprender a tão temida matemática. Após ler o anúncio, correu para a sala de aula e programou com seus amigos um grupo de estudos... Estudou muito com os amigos, estudou sozinho, tirava suas dúvidas com a professora, passava horas e mais horas grudado nos livros.

    Ao chegar o dia da olimpíada, Bento estava com muito medo e querendo desistir, porém sua professora e os seus amigos deram-lhe motivação para seguir em frente e ele foi... Havia feito sua parte, estudado o quanto pôde e se esforçou o bastante para conseguir um bom resultado. Não deveria temer, pois o melhor de si ele iria dar!

    Fez uma boa prova e ficou feliz consigo mesmo... Pois havia se livrado enfim de seu grande problema com a matemática, já a compreendia melhor e até já estava gostando de ver tantos números e símbolos. O resultado para ele agora pouco importava, pois a grande vitória ele já havia conseguido... Aprender matemática!

    Ao chegar à escola, passada uma semana depois da prova, Bento percebeu um grande grupo se aproximando dele e lhe dando os parabéns, não estava entendendo o porquê dos parabéns, até que um dos amigos falou:

    - VOCÊ FOI O CAMPEÃO DAS OLÍMPIADAS!

    Bento começou a pular e a gritar sem acreditar ainda que havia ganhado. Correu e viu seu nome da lista dos vencedores!

    Além de ter ganhado seu tão sonhado computador, compreendeu que para aprendermos algo só basta se esforçar, se esforçar muito, pois no final tudo dará certo e você será vitorioso!

    Ele foi para casa muito feliz para contar a novidade para seus pais, que ficaram muito orgulhosos dele. Correu para seu quarto, quebrou o porquinho, contou o dinheiro e abriu um sorriso, pois sabia que tinha dinheiro o suficiente para fazer uma festa com seus amigos e sua professora da escola, pois eles o ajudaram muito na conquista desse prêmio. E deveriam comemorar juntos!

    Bento ficou conhecido na escola pela capacidade de lutar e conseguir alcançar seus objetivos, demonstrando assim, como todos nós devemos agir!


    MINÉIA PACHECO!



    Avatar








    MINÉIA PACHECO
    Escritora



  • ANUNCIE AQUI




    PARA PENSAR

    Ah, como é importante para a formação de qualquer criança ouvir muitas, muitas histórias... Escutá-las é o início da aprendizagem para ser um leitor, e ser leitor é ter um caminho absolutamente infinito de descoberta e de compreensão do mundo...
    (Fanny Abramovich)





    Copiar essas ideias sem a permissão do autor é crime, pois isso configura uma forma de roubo e roubar ideias é plágio, e plágio é crime. Art. 184 – Código Penal

    © Copyright 2017 - Minéia pacheco. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido, ou usado, exceto com a permissão prévia por escritor.