• 08
    SET

    CARLITOS, UM PINGUIM APRENDENDO A VALORIZAR A AMIZADE!



    (Fonte da imagem: Google!)

    Carlitos, um pinguim aprendendo a valorizar a amizade!

    Não dava! Os amigos até que tentavam brincar com Carlitos, mas ele não ajudava. Não era comportado, queria fazer tudo diferente e não aceitava as normas das brincadeiras. E com isso, aos poucos, estava ficando de lado no grupo dos amigos.

    Mas Carlitos não dava importância e sempre falava:

    - Não ligo para vocês, prefiro brincar sozinho!

    Saía para pegar seus brinquedos e começa a brincar sozinho. Os primeiros minutos até que ele se divertia de verdade sozinho, mas com o passar do tempo a brincadeira ia ficando sem graça e necessitando da presença de algum amigo. Olhava para os lados e não encontrava nenhum pinguim disposto para com ele brincar.

    - Esses pinguins daqui são muito chatos, é melhor brincar sozinho, do que mal acompanhado!

    Ele então resolveu inventar uma nova brincadeira e começou a pular, correr... Até que caiu e machucou a pata, estava longe, sem nenhum amigo por perto para ajudá-lo e ficou preocupando e pensando como sairia dali se não podia andar.

    O tempo passou e nada de ninguém chegar para ajudá-lo, já estava anoitecendo e o medo começou a invadi-lo. Não queria ficar ali sozinho, não queria passar a noite longe de todos e pensou:

    - Se eu tivesse valorizado meus amigos, respeitando cada um deles não estava aqui sozinho e machucado. Nunca fui feliz brincando sozinho, é muito ruim, sentia muito a falta deles, mas não queria aceitar nem respeitar a normas, agora estou aqui sozinho e machucado, sem ninguém para me ajudar!

    A noite passou e ninguém veio ajudá-lo, Carlitos teve que passar a noite sozinho, com frio e machucado, ao amanhecer ouviu passos... Olhou ao redor e viu de longe um grupo de pinguins a sua procura, eles gritavam:

    - Carlitos, onde você está?

    - Aqui! – Ele gritou.

    Os amigos o viram, chegaram próximo e falaram:

    - Logo cedo sentimos a sua falta e percebemos que você não havia dormido por lá. O que houve?

    - Estava tentando inventar uma nova brincadeira, uma em que se podia brincar sozinho, comecei a correr e a pular até que me machuquei e não consegui mais voltar.

    - Você dormiu aqui?

    - Sim, mas foi bom...

    - Foi bom?!

    - Sim, porque só assim aprendi que não é bom brincar sozinho e que não podemos viver sem amigos. Aprendi a valorizar cada um de vocês. Obrigado por terem vindo me ajudar!

    - Sabe Carlitos, nós sabíamos que mais cedo ou mais tarde você iria aprender que a vida sem amigos é chata e sem graça. Que bom que você já aprendeu!

    - Aprendi sim, de uma forma triste, mas aprendi!

    - Agora vamos voltar e cuidar desses ferimentos!

    - Vamos sim... Quero ficar bom logo e voltar a brincar muito com todos vocês!

    - Iremos brincar muito, querido Carlitos!

    POR MINÉIA PACHECO!

    Avatar





    • O meu filho pediu-me uma historia com pinguins e apareceu esta que por sinal é brilhante!!
      Obrigado pela historia!

      RESPOSTA





    • Parabéns Mineia pela criatividade e excelência do texto. Já sou seu seguidor a partir de agora.

      Abraços poéticos e fraternos de Gilbamar.

      RESPOSTA





    • Mineia,que bom que me achou!Minha conta está toda bagunçada!Vou colocar seu selinho no blog tb!Uma linda e graciosa história de amizade!Adorei te reler!Bjs,

      RESPOSTA








    MINÉIA PACHECO
    Escritora



  • ANUNCIE AQUI




    PARA PENSAR

    Ah, como é importante para a formação de qualquer criança ouvir muitas, muitas histórias... Escutá-las é o início da aprendizagem para ser um leitor, e ser leitor é ter um caminho absolutamente infinito de descoberta e de compreensão do mundo...
    (Fanny Abramovich)





    Copiar essas ideias sem a permissão do autor é crime, pois isso configura uma forma de roubo e roubar ideias é plágio, e plágio é crime. Art. 184 – Código Penal

    © Copyright 2017 - Minéia pacheco. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido, ou usado, exceto com a permissão prévia por escritor.