• 29
    AGO

    RODA PIÃO!




    André, João e Flávio estavam fazendo o que sempre faziam à tarde depois da escola, brincando de pião!

    Esse era o momento do dia mais feliz para eles!

    - Vamos jogar nossos piões no chão e ver qual roda mais? - Perguntou Flávio.

    - Gostei da ideia! - Falou André.

    - E eu mais ainda, pois já sei que o meu ficará por mais tempo a rodar... Sou o melhor jogador de pião que já existiu! - Falou João.

    Os três meninos começaram a enrolar a corda no pião e quando todos já estavam preparados, jogaram os piões no chão. E eles rodaram, rodaram, rodaram... Até que o primeiro pião parou de rodar. Era o de João, ele não gostou de ver seu pião sendo o primeiro a sair da brincadeira, ficou muito chateado e foi para longe.

    - João, para onde você vai? - Perguntou Flávio.

    - Não quero mais saber dessa brincadeira chata! - Ele falou.

    E então André falou para Flávio.

    - João não gostou de ter saído logo da brincadeira, pois ele fala para todos que é o melhor jogador de pião por aqui!

    - Mas isso é uma grande besteira André, estamos aqui para jogar e nos divertir e não para saber quem é o melhor.

    - Concordo com você Flávio, mas João não pensa assim...

    - Vamos continuar jogando, não vamos perder nossa tarde de brincadeira por causa do João, ele não sabe o que está perdendo!

    Os meninos recomeçaram a jogar o pião e a ver qual ficava mais tempo no chão a rodar. De longe João via a alegria dos amigos e percebeu a grande besteira que estava fazendo. Voltou para os amigos e falou:

    - Desculpem o meu egoísmo e a minha mania de sempre querer ser o melhor em tudo que faço, aprendi vendo vocês jogando o pião de longe que o importante mesmo é se divertir e ser feliz.

    - E você está certíssimo! - Falaram os amigos.

    Os três continuaram a jogar seus piões por muitas horas ainda, não importava quem saía primeiro ou quem ficava até o final, o importante mesmo naquele momento para eles era a paixão que tinham em jogar pião e claro, a diversão!



    Autora Minéia Pacheco

    Avatar





    • bom dia amiga querida...

      adorei a historinha de hoje, além de me remeter a infância, um grande exemplo que nem sempre se ganha o tempo todo, e as crianças tem uma dificuldade pra aprender que elas vão perder também, principalmente nessas brincadeiras da infância... e assim vão aprendendo que na vida, também se perde, mas se aprende muito...


      amiga, estou a procura de uma máquina de costura, rsrs meu próximo passo, ontem comecei um painel de Natal... lindo tecido, depois eu mostro... que legal que você também está aprendendo, vamos trocando idéias!

      beijinhos e lindo dia por aí...aqui choveeeee

      Su.

      RESPOSTA





    • Oi!! ahh,uma brincadeira tão legal meio esaquecidinha nos dias de hj,neh??era tão legal..eu sempre curti coisas de "menino",hahaha..
      beijos,e boa semana!!
      ;-)

      RESPOSTA





    • Mineia,o que mais gosto nas suas histórias é que sempre consegue colocar um ensinamento interessante no final!Ficou uma graça esse Roda Pião!Bjs,

      RESPOSTA





    • Lindo,Minéia e essas brincadeiras tão esquecidas, devem ser recuperadas...beijos,lindo dia,chica

      RESPOSTA





    • Boa noite Minéia!
      Bela estórinha e que traz um retorno imediato as brincadeiras de infância.
      Hoje a criançada nem conhece mais os piões.
      abração

      RESPOSTA








    MINÉIA PACHECO
    Escritora



  • ANUNCIE AQUI




    PARA PENSAR

    Ah, como é importante para a formação de qualquer criança ouvir muitas, muitas histórias... Escutá-las é o início da aprendizagem para ser um leitor, e ser leitor é ter um caminho absolutamente infinito de descoberta e de compreensão do mundo...
    (Fanny Abramovich)





    Copiar essas ideias sem a permissão do autor é crime, pois isso configura uma forma de roubo e roubar ideias é plágio, e plágio é crime. Art. 184 – Código Penal

    © Copyright 2017 - Minéia pacheco. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido, ou usado, exceto com a permissão prévia por escritor.