• 31
    AGO

    UMA NOITE MISTERIOSA!





    Juquinha tinha saído com sua família para comer uma deliciosa pizza, vizinho ao seu bairro, em comemoração ao seu aniversário. Chegando ao restaurante, fizeram o pedido e enquanto aguardavam a pizza chegar Juquinha resolveu dar uma voltinha pelo bairro.
     
    - Não vá muito longe filho, já a pizza chega. – Falou o pai.
     
    - Não irei longe papai, ficarei aqui por perto mesmo.
     
    Juquinha foi andando, andando, e percebeu que alguém lhe seguia, pensava que era seu pai, mas quando olhou para trás não viu ninguém.
     
    - Senti alguém me seguindo, que estranho! – Ele falou.
     
    Então resolveu voltar, ao andar de volta percebeu alguém escondido atrás de uma lata de lixo, como Juquinha era muito curioso resolveu ver quem era, mas quando viram que Juquinha se aproximava, esse alguém misterioso correu, e Juquinha também correu atrás dele.
     
    - Ei, volte aqui, não irei te fazer mal, não precisa ter medo!
     
    Quando Juquinha deu por si, se viu em um lugar totalmente estranho e misterioso.
     
    - Onde estou? – Ele se perguntou.
     
    A criatura que Juquinha seguia havia sumido... Ele correu tanto que acabou se perdendo, e agora? Como ele iria voltar para casa?
     
    Onde Juquinha tinha ido parar?
     
    Ele continuou andando, viu casas enormes, morcegos por toda a parte e a escuridão o impedia de ver onde estava pisando...
     
    - Onde vim parar?!
     
     Juquinha não era de sentir medo, mas naquele momento começava a ter!
     
    - Estou ouvindo uns uivos. Será que existem lobos selvagens aqui? Ai,ai...
     
    Ele tremia muito, mas continuou andando.
     
    - Vou andar até encontrar uma saída. Tem que haver uma saída!
     
    Mas, de repente, Juquinha sentiu alguém puxando sua mão, era o misterioso que ele havia seguido. Ele estava com uma capa preta e o rosto todo coberto.
     
    - Para onde você está me levando... Largue-me! Largue-me!
     
    Mas o misterioso não se importou com os gritos de Juquinha e continuou puxando-o até chegarem a um dos castelos.
     
    - O que você quer de mim? – Juquinha perguntou.
     
    Mas o misterioso nada respondeu, abriu a porta de um dos castelos e empurrou Juquinha para dentro, ele não conseguia ver nada, estava tudo escuro demais. Ele queria gritar, mas não tinha mais forças, estava com muito, mas muito medo mesmo.
     
    Quando, de repente, o misterioso liga a luz e todos gritam:
     
    -Surpresa!!!
     
    Estavam todos lá, seus pais, amigos, familiares... Era uma festa surpresa de aniversário.
    Juquinha não acreditava no que via... Era tudo armação da sua família.
     
    E o ser misterioso era seu pai, que chegou perto dele, tirou a capa preta e falou:
     
    - E então filho, gostou da surpresa? Você havia nos falado há algum tempo que gostava muito de suspense e queria muito ter uma festa misteriosa.
     
     Juquinha ainda estava meio confuso com tudo aquilo e falou:
     
    - Falei foi??
     
    - Falou sim... – A mãe respondeu.
     
    - Tudo bem. - Ele respondeu. Mas nunca mais quero saber de festa misteriosa, combinado? Nunca senti tanto medo em minha vida!
     
    Os convidados começaram a rir e então começaram a cantar os parabéns para Juquinha, que ainda estava meio confuso, mas muito feliz!
     
    E pensou:
     
    - Ainda bem que era tudo armação da minha família, mas com tudo isso aprendi uma grande lição NUNCA MAIS SEGUIREI NINGUÉM ESTRANHO... Nunca se sabe o que vai acontecer!
     
     

    Autora Minéia Pacheco


     

     


    Avatar








    MINÉIA PACHECO
    Escritora



  • ANUNCIE AQUI




    PARA PENSAR

    Ah, como é importante para a formação de qualquer criança ouvir muitas, muitas histórias... Escutá-las é o início da aprendizagem para ser um leitor, e ser leitor é ter um caminho absolutamente infinito de descoberta e de compreensão do mundo...
    (Fanny Abramovich)





    Copiar essas ideias sem a permissão do autor é crime, pois isso configura uma forma de roubo e roubar ideias é plágio, e plágio é crime. Art. 184 – Código Penal

    © Copyright 2017 - Minéia pacheco. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido, ou usado, exceto com a permissão prévia por escritor.